Garantia do Estado de Direito

Subcomitê de combate à tortura visitou o país no início de fevereiro. Organizações de defesa dos direitos humanos alertaram para agravamento da tortura durante a pandemia

Garantia do Estado de Direito

ONU pede que Brasil pare desmonte do sistema de prevenção à tortura

Subcomitê de combate à tortura visitou o país no início de fevereiro. Organizações de defesa dos direitos humanos alertaram para agravamento da tortura durante a pandemia

Escrito em 21 de Fevereiro 2022 por

Justiça Global

A delegação da Subcomissão de Prevenção da Tortura e outras Penas ou Tratamentos CruéisDesumanos ou Degradantes (SPT) das Nações Unidas (ONU) pede que o governo brasileiro cumpa as obrigações internacionais  ratificadas pelo país no Protocolo Facultativo à Convenção da ONU Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes. As declarações foram publicadas pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para de Direitos Humanos uma semana após visita a autoridades, em Brasília, entre 31 de janeiro e 4 de fevereiro.

“Instamos o Brasil a desistir de sua decisão de desmantelar seu mecanismo nacional de prevenção da tortura”, disse Suzanne Jabbour, que chefiou a comitiva formada por três membros. “Também pedimos ao Brasil que respeite seus compromissos internacionais de direitos humanos e consolide seus recursos e esforços para combater a tortura”, acrescentou.

>>Em reunião com representantes da ONU, grupos alertam para tortura nas prisões

O grupo internacional de peritos visitou o país após uma série de medidas estabelecidas pelo decreto 9.831/2019, do presidente Jair Bolsonaro, que tem inviabilizado as atividades do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT). Entre outras providências, a resolução corta os salários dos técnicos do MNPCT. A medida é criticada por entidades de direitos humanos por comprometer a independência funcional do principal órgão anti-tortura do Brasil – responsável por monitorar, além de prisões, locais de acolhimento de crianças e idosos, hospitais psiquiátricos, comunidades terapêuticas e unidades de cumprimento de medidas socioeducativas.

A perita considerou críticos os desafios enfrentados para a manutenção dos mecanismos preventivos. “Apesar da falta de recursos e apoio, eles estão fazendo um trabalho notável”, adicionou.

Para a pesquisadora da Justiça Global Monique Cruz,  a vinda do SPT ao Brasil marca um importante momento de destaque negativo do país internacionalmente: “Explicita os retrocessos que aprofundam condições estruturais de uma sociedade que se relaciona de maneira colonial tendo a violência e a tortura como parte das estruturas repressivas do Estado”. A assistente social lamentou que não tenham sido feitas inspeções em espaços de privação de liberdade e recomendações de caráter ampliado, como de praxe. “Contudo, a vinda ao Brasil dos peritos e peritas do SPT é um marco importante da força da sociedade civil brasileira, especialmente dos movimentos sociais de familiares e sobreviventes do cárcere”, avaliou.

A delegação se reuniu com a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, vários membros do Parlamento, inclusive com os presidentes das Comissões de Direitos Humanos de ambas as câmaras, o Supremo Tribunal Federal, o Procurador-Geral Federal e seu Vice-Responsável dos Direitos dos Cidadãos, entre outras entidades.

Atualmente, o MNPCT funciona precariamente, respaldado por uma decisão cautelar da justiça federal. Na Câmara dos Deputados, os projetos de decreto legislativo contra o ato do Presidente tramitam há mais de dois anos, e no STF ainda não há qualquer decisão na ADPF 607/2019 que questione a legalidade do ato do presidente.

Esta é a terceira visita que o SPT faz ao país. Nas anteriores, em 2011 e 2015, representantes do órgão fizeram inspeções em espaços de privação de liberdade, além de uma série de recomendações em defesa dos direitos das pessoas vivendo nesses locais. Em 2015, o STF reconheceu o “estado de coisas inconstitucional” (ADPF 347) do sistema carcerário brasileiro que, hoje, tem superlotação estimada em 166% (ao todo são mais de 811 mil pessoas vivendo em condições sub-humanas).

A pandemia agravou ainda mais as violações de direitos nas prisões e outros locais de privação de liberdade. A impossibilidade prática de distanciamento social em celas abarrotadas se somou à falta de acesso a equipamentos de proteção individual (EPIs) e à água. No segundo semestre de 2020, apenas seis estados (AL, CE, DF, MS, MG e SP) informaram fornecer água potável em tempo integral em suas unidades prisionais. Em março de 2021, cerca de 300 pessoas morreram, nos sistemas carcerário e socioeducativo por causa do coronavírus, alta de 190% nos óbitos em relação ao ano anterior.


Disponível no site da Justiça Global

0 comentários

Justiça Global

CONHEÇA +

0 comentários

Você também vai gostar

Garantia do Estado de Direito
Rafael Ciscati

Candidaturas militares ocupam vácuo deixado por democratas, diz pesquisador

Entrevista


Garantia do Estado de Direito
Rafael Ciscati

Tribunal internacional julga Bolsonaro por crimes contra a humanidade

Notícias


Garantia do Estado de Direito
Fabio Leon

Débora Silva, das Mães de Maio: “Ser pobre não é crime”

Entrevista