Garantia do Estado de Direito

Para onde vai a democracia?

Defensores e defensoras de direitos humanos analisam os problemas que o Brasil enfrenta, e sugerem caminhos para superá-los

Garantia do Estado de Direito

Para onde vai a democracia?

Defensores e defensoras de direitos humanos analisam os problemas que o Brasil enfrenta, e sugerem caminhos para superá-los

Escrito em 27 de Abril 2022 por
Rafael Ciscati

De que uma democracia saudável precisa? 

Regina Santos, do Movimento Negro Unificado (MNU) acredita que é preciso letramento racial. Para ela, é essencial que o país encare — e repare — suas barbáries: “Vivemos num país de passado escravista que não adotou medidas de reparação à população negra”, afirma. "É preciso passar o Brasil a limpo".

Na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, o sociólogo Adriano Araújo acompanha a escalada da violência policial — que mata, sobretudo, pessoas negras e pobres. Para ele, uma democracia saudável precisa de um novo modelo de segurança pública. “Precisamos de políticas que enfrentem a violência, mas não pelo uso de armas”, assevera.

Já a pesquisadora Fabiana Pinto, do Instituto Marielle Franco, acredita que é urgente aumentar a diversidade das pessoas que ocupam espaços de poder na política institucional. Só assim, diz ela, surgirão soluções inovadoras para problemas velhos e novos:  “Vivemos uma crise democrática. E temos o desafio de produzir uma resposta para essa crise”

Para compor esse especial sobre Para onde vai a Democracia?, Brasil de Direitos conversou com defensores e defensoras de direitos humanos de todo o país. São pessoas que, tal qual Regina, Adriano e Fabiana, trabalham cotidianamente para construir um país diferente: mais inclusivo e justo. Aqui, eles se debruçam sobre os percalços do Brasil de 2022: a escalada da fome, o fechamento dos espaços cívicos, a violência contra a população negra e os povos indígenas. E apontam possíveis soluções.

Nas reportagens a seguir, você encontra uma análise sobre a relação conflituosa entre a sociedade civil organizada e o governo federal; descobre o que pensam 12 organizações de defesa de direitos sobre os caminhos que o Brasil pode trilhar nos próximos anos; e lê uma análise sobre a relação entre religião e política — um diálogo que perpassa toda a história do Brasil e que ganhou novos contornos nas últimas décadas.

Há, ainda, uma matéria sobre iniciativas que buscam aumentar a representatividade da política institucional ; e os perfis de duas ativistas históricas: Regina Santos, do MNU, e Jovanna  Cardoso, do Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negros e Negras (Fonatrans).

Em ano de eleições, essas análises e propostas buscam se somar ao debate e, quem sabe, iluminar vias para a construção de uma democracia mais sólida.

Boa leitura!



Ideias para melhorar a democracia
Num país desigual e racista, dá para falar em democracia plena? Ouvimos 12 organizações que refletem sobre a falta de acesso à cidadania — e apontam caminhos de mudanças





Governo federal esvaziou espaços de participação social, dizem pesquisadores
Segundo levantamento, 64% dos conselhos gestores de políticas foram extintos ou alterados por decreto. Políticas sociais, meio ambiente e direitos humanos foram áreas mais afetadas





Renovação política: organizações criam iniciativas para impulsionar candidatos
De programas de mentoria a esforços de divulgação, iniciativas capitaneadas por grupos da sociedade civil organizada querem aumentar representatividade de eleitos





Regina Santos, do MNU: “Para avançar, é preciso passar o Brasil a limpo”
Aos 67 anos, a ativista do Movimento Negro Unificado vai criar um canal de youtube para discutir racismo, e cobra que o Brasil adote medidas de reparação à população negra




Jovanna Cardoso: pessoas trans e travestis precisam ocupar espaço na política
Pioneira do movimento trans, a dirigente do Fórum Nacional de de Travestis e Transexuais Negras e Negros quer pressionar partidos para que apoiem candidates transexuais na disputa



Relação entre religião e Estado é antiga no Brasil e precisa ser debatida
Presença de religiosos na política não ameaça a laicidade do Estado. Problema é usar espaços de poder para impor moral conservadora e suprimir direitos de minorias

0 comentários

0 comentários

Você também vai gostar

Garantia do Estado de Direito
Rafael Ciscati

Depois de relatar tortura em penitenciária, servidores dizem sofrer intimidações

Notícias


Garantia do Estado de Direito
Gabriela Varella

Ideias para melhorar a democracia

Para entender


Garantia do Estado de Direito
Rafael Ciscati

Renovação política: organizações criam iniciativas para impulsionar candidatos

Notícias