Podcast


Justiça criminal

No terceiro e último episódio do podcast, Criola acompanha os casos de mulheres que viveram as dores da maternidade atrás das grades

Justiça criminal

Podcast Tô solta: relatos de mães e filhos separados pelo sistema carcerário

No terceiro e último episódio do podcast, Criola acompanha os casos de mulheres que viveram as dores da maternidade atrás das grades

Ana estava presa quando a filha deu os primeiros passos. Foi longe dos olhos da mãe, também, que a menina disse as primeiras palavras. Quando Ana foi encarcerada, a criança era ainda um bebê de colo: tinha um ano e oito meses. Quando as duas se reencontraram, a filha já era outra: com quase três anos, falava, andava e carregava a memória de momentos dos quais Ana não participara. No cárcere, "cada visita era um desespero, porque sua filha não queria ir embora" narra o terceiro episódio do podcast Tô Solta.
 
Em Relatos de mães que sobreviveram ao cárcere, a equipe de Criola acompanha as histórias, e a dor, de duas mulheres que foram separadas de seus filhos pelo sistema carcerário.
 
 
Tô Solta, a nova série em podcast  da ONG Criola, conta as histórias de mulheres que enfrentaram um sistema injusto e que nos ensinam, por meio de suas vivências, que não precisava ser assim se houvesse justiça e Bem Viver. São histórias que falam muito mais do que dados e números. A série é protagonizada por ativistas anti-cárcere que participaram de oficina realizada por Criola. Você pode acompanhar a série nas redes de Criola ou aqui, na Brasil de Direitos, toda semana.

 
>>Ouça o primeiro episódio: podcast conta história de mulheres que sobreviveram ao cárcere
 
 
SOBRE CRIOLA
Criola é uma organização da sociedade civil com 30 anos de trajetória na defesa e promoção dos direitos das mulheres negras e na construção de uma sociedade onde os valores de justiça, equidade e solidariedade são fundamentais. Nesse percurso, Criola reafirma que a ação transformadora das mulheres negras cis e trans é essencial para o Bem Viver de toda a sociedade brasileira.

0 comentários

0 comentários